Evento discutirá importância dos Tribunais de Contas no combate aos crimes ambientais 

O I Congresso Ambiental dos Tribunais de Contas debaterá o papel desses órgãos diante do cenário de degradação do meio ambiente enfrentado pelo Brasil.

Compartilhe

Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email
Share on whatsapp
WhatsApp

O Tribunal de Contas do Amazonas (TCE-AM) e a Associação dos Membros dos Tribunais de Contas do Brasil (Atricon) realizarão, nos dias 15 e 16/09, o I Congresso Ambiental dos Tribunais de Contas.  

O evento, que conta o apoio da Transparência Internacional – Brasil, terá a presença de representantes de diversos Tribunais de Contas do país e órgãos relacionados ao meio ambiente. O objetivo será discutir sobre a importância da atuação desses órgãos na agenda ambiental e de proteção aos biomas brasileiros. 

O presidente do TCE-AM, conselheiro Érico Desterro, ressaltou a importância das discussões em torno da preservação do meio ambiente:  

Iremos reunir, em Manaus, renomados estudiosos e membros dos tribunais brasileiros para discutir ações referentes ao desenvolvimento sustentável e como os órgãos de controle podem colaborar, seja na fiscalização, acompanhamento e/ou ações pedagógicas para manutenção dos biomas brasileiros“, diz Desterro.  

Para o presidente da Atricon, Cezar Miola, a degradação do meio ambiente configura um problema que precisa ser tratado com prioridade pelos órgãos de controle externo, por sua relevância ambiental, social e econômica para o desenvolvimento do país. 

“Consciente dessa relevância, a Atricon disponibilizou uma resolução com diretrizes e orientações aos Tribunais de Contas voltadas à fiscalização da gestão florestal com foco na diminuição do desmatamento ilegal e na promoção do desenvolvimento sustentável”, comenta Miola 

O representante da Transparência Internacional – Brasil no evento, Dário Cardoso Júnior, que participará de um dos debates falando sobre o fortalecimento dos Tribunais para o controle ambiental, defende que esses órgãos possuem um papel fundamental no combate ao cenário de degradação ambiental que o país vem enfrentando:  

O desmatamento e as queimadas estão batendo recordes em todos os biomas do país, e o evento é importante para mobilizar os Tribunais de Contas contra a perda da floresta, especialmente na Amazônia. Cabe aos Tribunais de Contas fiscalizar: a aplicação de recursos em órgãos públicos ambientais, a sonegação de impostos no setor florestal, o pagamento de multas ambientais etc. Logo, eles têm um papel fundamental na promoção da legalidade na economia florestal e no combate ao desmatamento ilegal”, explica Cardoso. 

Já de acordo com o presidente do Instituto Rui Barbosa, conselheiro Edilberto Pontes, a discussão é extremamente relevante e oportuna, pois demonstra o compromisso das instituições de controle externo com o aspecto ambiental. 

O Instituto Rui Barbosa está totalmente alinhado com ações como as relacionadas às iniciativas a serem discutidas nesse evento. O IRB criou, na atual gestão, o Comitê Técnico de Meio Ambiente e Sustentabilidade, atento aos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável”, afirma Pontes. 

O evento é aberto ao público em geral e está com inscrições abertas no site da Escola de Contas Públicas (ECP) do TCE-AM no endereço ecpvirtual.tce.am.gov.br.  

O congresso será presencial e contará com transmissão ao vivo pelo YouTube, Facebook, Instagram e TikTok do Tribunal. 

Para mais informações, clique aqui e acesse o site do evento.  

Programação e participantes 

No primeiro dia do evento (15), os debatedores Philip Fearnside, do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa), e Luciana Gatti, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), discutirão as ameaças e oportunidades da sustentabilidade na Amazônia. E para falar sobre a regularização fundiária na Amazônia, os convidados serão Ênio Torres Soares, do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), e Edical Torres, da PGE de Roraima

A programação ainda contará com debates sobre os mecanismos econômicos para remuneração dos serviços ambientais, com Alberto Tavares, do Amazoniar, e Marco Aurélio Crocco Afonso, da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG); o fortalecimento dos Tribunais para o controle ambiental, com Rafael Lopes Torres, do TCU, e Dário Cardoso Júnior, do Transparência Internacional Brasil. 

No segundo dia, ainda serão discutidas temáticas relacionadas ao uso de tecnologias para o monitoramento do desmatamento ilegal; os desafios para implementação do novo código florestal; e o licenciamento e controle da exploração. Estarão presentes nos debates o promotor Alexandre Gaia, do MPE do Paraná; Magaly Gonzales, do MapBiomas; Jaine Ariély, do Serviço Florestal Brasileiro; Roberta Del Giudice, do Observatório do Código Florestal; Marco Lentini, do Imaflora; e Rafael Freire Macêdo, do Ibama

Para mais informações, clique aqui e acesse o site do evento.  

Acompanhe nossas redes sociais